Monday, May 14, 2018

Demônio da Depressão parte 3: Dia das Mães

    Eu odeio minha mãe!!! É impossível tentar conviver com ela. Ela é a pior mãe do mundo e agora vou explicar o porquê. Sempre brigamos, mas tudo começou a piorar quando eu tinha 15 anos. 


    Com essa idade conheci quem deveria ser o homem da minha vida, mas minha mãe sempre a transformava em um inferno quando eu estava com ele. Mães deveriam querer o melhor para seus filhos, no entanto a minha sempre quis o pior. 

    _ Filha, ele não é o cara certo para você. _ Disse minha mãe discutindo comigo pela milionésima vez. 

    _ Falou a mulher que casou com o traste do meu pai, um homem que nunca te respeitou. _ Respondi furiosa mostrando a ela que ela não tinha o direito de reclamar. 

    _ Eu te proíbo de continuar vendo ele. Eu sou a sua mãe e sei o que é melhor para você. _ Disse ela quase gritando comigo. 

    _ Eu já tenho 15 anos e sei o que é melhor para mim, não preciso mais de você para nada. _ Respondi levando um tapa no rosto, o que me fez me trancar em meu quarto o resto do dia sem falar mais com ela. 

    Três anos mais tarde as coisas pioraram muito e tivemos a pior briga de nossas vidas. Eu havia continuado saindo com meu namorado e agora eu estava grávida dele, o que a deixou furiosa, visto que eu ainda não tinha terminados os estudos e talvez nem ao menos eu tivesse maturidade para cuidar de uma criança. 

    _ EU VOU TE MATAR MENINA!!! _ Gritava ela, como nunca havia gritado antes. 

    _ Eu sou adulta e posso cuidar dessa criança. Não preciso de você para nada! _ Eu respondi tentando fazê-la perceber que eu podia assumir esta responsabilidade. 

    _ Você não pode! Seu namorado tem a maturidade de uma criança de cinco anos, enquanto você trabalha ele fica soltando pipa. _ Disse ela tentando me fazer acordar para a realidade. 

    _ MÃE PARA!!! A sua vida toda você se dedica a fazer da minha vida um inferno, eu farei de tudo pelo meu filho. Serei uma mãe muito melhor do que você foi. _ Respondi a ela batendo diversas vezes na mesa da cozinha com minha mão. 

    _ Eu sempre me preocupei em fazer o melhor para você. Só estou tentando garantir seu futuro para que você e seu filho não passem necessidades. _ Disse ela chorando, o que no fundo confesso que cortava meu coração. 

    _ Pois então pare de se preocupar, eu NÃO pedi a sua ajuda. Pare de tentar controlar a minha vida. Seria melhor que eu não tivesse mãe!!! _ Eu disse correndo para meu quarto e trancando a porta atrás de mim. 

    _ Cuidado com o que deseja mocinha, você se acha uma adulta só porque está grávida, mas você ainda tem muito o que aprender para ser mãe. _ Disse ela batendo na porta tentando abri-la. 

    _ Você tem um grande futuro pela frente, não desperdice ele com quem não te merece, mas acima de tudo espero que um dia você descubra quem realmente te ama e te quer bem. _ Completou ela chorando e se afastando da porta. 

    Naquela noite recebi a visita indesejada de um demônio, para os céticos eu tive uma espécie de alucinação, mas para mim foi bem real e assustador.  

    _ Olá pobre menina. Sei como se sente e estou aqui para te ajudar. _ Disse ele calmante. 

    _ O que é você? _ Eu perguntei com muito medo, quase em estado catatônico. 

    _ Não me interprete mal, mas sou um demônio. Não se preocupe, não vim aqui para machuca-la. _ Disse ele novamente com toda a calma que alguém poderia ter. 

    _ O que você quer de mim? _ Perguntei um pouco mais calma, puxando a coberta imaginando que ela poderia me proteger de alguma forma. 

    _ Estou aqui para te oferecer o que você mais deseja. A LIBERDADE!!! _ Disse ele sorrindo com seus enormes dentes pontiagudos. 

    _ Eu não vou negociar com um demônio. Eu sei que você quer me tentar contra Deus, mas eu não vou vender a minha alma para você! _ Respondi sentindo o clima de meu quarto esfriar repentinamente e vendo aquele sorriso desaparecer. 

    _ Deus não vai te dar o que você quer. Apenas eu posso fazer a sua vontade. Além de que não quero sua alma. _ Disse ele tentando recuperar a calma. 

    _ Então o que você quer? _ Perguntei curiosa para saber o que o teria trazido até aqui. 

    _ Eu quero duas coisas, a primeira é a sua mãe. Vou atormentá-la pelo resto da vida dela. _ Disse ele com um enorme sorriso. 

    _ Talvez ela mereça depois de tudo o que ela me fez passar. _ Eu respondi. 

    _ Em troca eu te darei a liberdade, você fugirá da cidade com seu namorado e eu cuidarei para que ela nunca os encontre. _ Disse ele. 

    _ Assim eu finalmente vou poder criar meu filho em paz. Ser mãe deve ser a coisa mais maravilhosa que existe. Eu o darei todo amor, carinho e atenção que eu puder. _ Respondi querendo aceitar a tentadora oferta. 

    _ Há apenas um porém, a segunda coisa é que você e seu filho terão que conviver pelo resto de suas vidas com todas as consequências que sua escolha possa gerar. Estamos de acordo? _ Disse ele estendendo sua mão com suas garras enormes. 

    _ Eu aceito! _ Respondi pegando em sua mão enquanto aquelas garras perfuravam minha pele fazendo escorrer um pouco de meu sangue. 

    Me lembro apenas de acordar na manhã seguinte com o braço dolorido e meio desorientada. Na geladeira vejo um bilhete da minha mãe dizendo que ela havia ido ao mercado fazer as compras do mês e que já havia preparado meu café da manhã antes de sair. 

    Percebi naquele momento que esse era o dia de minha fuga, tomei o café da manhã que ela havia preparado, fui a casa de meu namorado e juntos fugimos para uma cidade vizinha, onde ninguém poderia nos atrapalhar. 

    Desde então vinte anos se passaram e hoje estou aqui, contando como destruí minha vida, meu ex-marido, pai do meu filho me deixou por uma vadia qualquer, agora tenho que cuidar sozinha do meu filho. 

    Para a minha sorte ele já é um adulto agora e pode se cuidar sozinho, tem um emprego e no tempo livre sempre tenta ajudar as pessoas mais necessitadas. Ele é o filho que pedi a Deus. 

    Acima de tudo meu filho é o que dá sentido a minha vida, tudo o que faço é por ele e quero lutar para tornar todos os seus sonhos realidade. Mas muitas vezes ele também me ajuda muito enxugando minhas lágrimas. 

    _ Mãe, você está chorando novamente? _ Ele me pergunta acariciando meu rosto. 

    _ Por que você não está no seu quarto dormindo? _ Perguntei preocupada. 

    _ Eu te ouvi chorando e vim ver o que estava acontecendo. _ Ele me respondeu com sua voz doce e carinhosa. 

    _ Filho, eu tenho muito orgulho de você! Você é bom demais para mim. _ Disse a ele abraçando-o. 

    _ Você sabe que o que mais importa para mim é a sua felicidade. _ Ele me disse tentando me acalmar.  

    _ Você já me faz muito feliz filho! _ Respondi enquanto uma lágrima escorria por meu rosto. 

    _ Eu não suporto te ver assim. Não faz ideia de como isso me machuca por dentro. _ Disse ele começando a chorar também. 

    Com a chegada do dia das mães estava completando 21 anos que fugi da casa da minha mãe, meu estômago revirava enquanto me lembrava da última briga que tivemos. 

    Fui até o quarto do meu filho para acorda-lo para o café, porém não o encontro, havia apenas uma carta em cima de sua cama que dizia: 

    "Esta carta eu escrevo para a pessoa que eu mais amo e admiro na vida, você é tudo para mim, queria ser motivo de orgulho para você, ser o filho que você sempre sonhou, mas infelizmente não fui capaz de te orgulhar. 

    Vim por meio desta, te escrever uma última vez, saiba que em momento algum eu quis te desapontar, mas a dor que sinto dentro de meu coração está me matando por dentro. 

    Mãe, eu sei que por várias noites você chora antes de dormir, algo muito ruim te deixa assim e eu sei o que é, você sente a falta da pessoa que mais te ama, assim como eu você também tem uma mãe. 

    Eu tento ser forte perto de você para que você não sofra mais, entretanto quando você não está vendo sou eu que choro por sofrer como você. Eu só queria minha família unida. 

    Sabe aquele demônio que te visitou aquela noite? Ele me visita todas as noites e me faz sofrer mais do que você pode imaginar, talvez as cicatrizes da alma não tenham sido as únicas que ele deixou em mim ao longo desses anos. 

    Todos podem cometer erros, mas Deus nos deu o dom de amar e assim também o de perdoar, mesmo que tudo o que ela fez tenha sido por amor. Agora é a minha vez de fazer isso por amor. 

    Ele me prometeu que assim tudo seria como deveria ser, ele me disse que essa era a única forma de juntar vocês duas novamente. Entenda o que fiz como um sacrifício, morro agora para que amor entre vocês duas possa renascer. 

    Eu sei o que ele fez a vocês no passado, minha vida é o preço a pagar para que ele as deixem em paz. Adeus mãe!!! Saiba que eu sempre vou continuar te amando, onde quer que eu esteja agora, vou sempre estar rezando por vocês." 

    Na mesma hora comecei a gritar em desespero: 

    _ Por que você fez isso com ele? Isso não estava no nosso acordo! _ Eu dizia desesperada querendo que ele me trouxesse meu filho. 

    _ Você mesma fez isso com ele. Você me colocou na vida dele. EU SOU O DEMÔNIO DA DEPRESSÃO!!! _ Disse ele aparecendo no quarto e finalmente mostrando sua verdadeira identidade. 

    _ Meu filho não tem depressão, ele é perfeito, até faz o bem alheio. _ Respondi sem conseguir acreditar no que estava ouvindo. 

    _ Ele faz tudo isso pedindo a Deus que tire a dor que ele sente todos os dias por te ver vagando sem rumo em sua vida. Você simplesmente está morta por dentro e não sabe. Ele queria que sua vida tivesse um sentido para que você VIVA de verdade. _ Disse ele me mostrando tudo que eu não quis enxergar por todos esses anos. 

    _ Não entendo como nossa vida pode chegar a esses ponto, não vou permitir que você tire meu filho de mim!!! _ Eu dizia furiosa com ele. 

    _ Só estou fazendo com você o mesmo que você fez com sua mãe. Seu maior pecado não foi se aliar a mim, mas sim abandonar sua mãe como se ela fosse uma completa estranha para você. _ Disse ele com um leve sorriso tentando me conformar. 

    _ Eu tive meus motivos para fazer isso. _ Respondi tentando justificar minhas escolhas do passado. 

    _ Como você mesma disse: Ser mãe deve ser a coisa mais maravilhosa que existe. Eu o darei todo amor, carinho e atenção que eu puder. ­_ Disse ele tentando me provar o contrário. 

    _ Além de você ter cometido o erro de abandonar sua mãe, que está a ponto de querer se matar, tomando antidepressivos para suportar a vida sem as pessoas que ela mais ama. Você nem ao menos viu as marcas nos pulsos do seu filho. Você é realmente uma mãe muito atenciosa. _ Disse ele gargalhando e zombando de mim com um tom sarcástico. 

    _ Pelo amor de Deus eu quero meu filho de volta!!! _ Eu implorava para aquela criatura. 

    _ Mesmo com tudo o que aconteceu você ainda deposita sua fé em Deus. Por isso vou te dar uma última chance para salvar seu filho, ele ainda está vivo, mas não por muito tempo. _ Disse o demônio antes de desaparecer como uma fumaça negra se misturando com o ar do quarto. 

    _ Eu sei exatamente o que fazer para consertar esta situação de uma vez por todas. _ Pensei comigo mesma. 

    Corri para o carro e fui a antiga casa de minha mãe, ela não esperava minha visita, mas ficou extremamente contente com ela. Eu me desculpei com ela, pedi perdão por tudo que a fiz passar e com o rosto cheio de lágrimas ela me disse: 

    _ Eu te perdoou filha!!! Mesmo depois de todos esses anos eu sempre continuei te amando. 

    Naquele mesmo instante passa na TV uma notícia de que um jovem de vinte anos estava a ponto de pular do terraço de um prédio e cometer suicídio. Na mesma hora corri para o carro junto com minha mãe e fui para o local. 

    Ao chegar no prédio a polícia não queria me deixar subir, porém ao explicar o que estava acontecendo ele permitiram que eu subisse com minha mãe até o terraço onde pude conversar com ele. 

    _ Filho, pelo amor de Deus não faz isso. Você é quem dá sentido para minha vida. _ Eu implorei para ele. 

    _ Foi por minha causa que sua vida se tornou esse inferno, minha morte vai permitir que as coisas voltem ao normal, eu só queria que você fosse feliz. _ Disse ele subindo no parapeito. 

    _ Você não sabe disso, mas hoje você me deu o melhor presente de dia das mães que eu já ganhei. Finalmente fiz as pazes com sua avó e agora seremos uma família unida como você sempre quis. _ Eu disse levando ela até ele. 

    _ Você não faz ideia de como estou feliz em saber disto, Deus ouviu minhas preces. Eu não vou mais pular. _ Disse ele descendo do parapeito. 

    Depois do ocorrido todos saímos para jantar, meu filho finalmente pode conhecer a própria avó depois de todo esse tempo e eu aproveitei para matar a saudade e até mesmo agradecer por aquele café da manhã há vinte e um anos atrás. 

    No final o amor de mãe foi maior até do que o demônio da depressão, salvando assim não apenas o jovem, mas toda a sua família. Jamais deixe de amar aquela pessoa que te pôs no mundo, você deve sua vida a ela. Além de que mesmo que ela nos magoe devemos aprender a perdoar e compreender que ela pode estar fazendo isso pelo nosso próprio bem. 

    Acima de tudo, se você sofre de depressão procure ajuda, você nunca está sozinho, há pessoas que te amam e querem o seu bem. Sua vida não precisa de um final trágico. 
  


No comments:

Post a Comment

Demônio da Depressão capítulo 4: Amor de Mãe

    _ Filha? Onde você está? _ Dona Rosa perguntava enquanto me procurava pela casa.     Chegando na cozinha ela encontra sobre a mesa uma...