Sunday, August 12, 2018

Mente de um estuprador


            Alguém já parou para pensar o que se passa na mente de um estuprador? O que o motiva a cometer esses crimes horríveis? Infelizmente descobri isto da pior maneira possível por causa da minha filha.

            Ela não foi cuidadosa ao usar um desses aplicativos de relacionamento. Eu ainda tentei avisá-la que era algo perigoso, já que nunca se sabe quem pode estar respondendo suas mensagens...

            _ Filha, o que é isto no seu celular? _ Perguntei vendo o aplicativo.

            _ Não é nada, apenas estou a fim de conhecer pessoas novas. _ Ela me respondeu tirando seu celular da minha mão.

            _ Apenas me prometa que você irá tomar cuidado. _ Eu falei preocupado, como qualquer pai ficaria.

            Ela concordou, no entanto não sabia que ela já havia marcado um encontro com um rapaz que ela conhecia apenas por mensagens.

            _ Eu vou na casa da Érica. Vou dormir lá esta noite. _ Disse ela se despedindo.

            _ Podia ter avisado antes, eu já preparei o jantar. _ Eu disse a ela querendo que ela ficasse.

            _ Eu vou jantar lá, nos vemos amanhã. _ Disse ela saindo com pressa pela porta enquanto seu celular acabava de receber novas mensagens.

            Érica era sua amiga de infância e eu sabia que não teria com o que me preocupar. Entretanto, em meio a madrugada, ouço a porta de casa se abrindo e vejo pela janela do quarto um carro saindo em alta velocidade.

            _ Filha! O que houve? _ Perguntei vendo ela jogada no chão com suas roupas rasgadas e aparentemente drogada.

            _ Pai, me desculpe, eu devia ter te escutado. _ Dizia ela enquanto chorava.

            _ Me conta exatamente o que aconteceu. _ Eu disse antes que ela vomitasse em mim e perdesse a consciência.

            Minha esposa chamou a polícia imediatamente e ela chegou em poucos minutos, mas eu sabia que era tarde e prometi a mim mesmo que iria encontrá-lo antes para me vingar.

            Eu passei a investigar minuciosamente as mensagens dele com minha filha. Ele agora sabia onde morávamos e sabia que a polícia estava atrás dele, além disso, como já era de se esperar, ele possuía um perfil falso no aplicativo, o que dificultava ainda mais as investigações.

            _ O que o senhor descobrir sobre o caso pode contar à polícia, assim encontraremos o estuprador mais rápido. _ Disse o delegado.

            _ Pode deixar que se eu descobrir algo você será o primeiro a saber. _ Eu disse fingindo colaborar com a investigação.

            Voltando para casa, eu cobrei da minha filha toda a história do que aconteceu naquela noite e ela me disse que não estava indo para a casa da Erica, mas sim para um encontro com esse rapaz.

            De acordo com ela, ele era um rapaz educado, atencioso e que apenas queria a conhecer melhor. Esse perfil psicológico era compatível com o das mensagens que ele respondia.

            Depois que ela saiu de casa eles se encontraram em um restaurante próximo, onde ele contou falsas histórias de sua vida, dizendo que ele era um estudante de medicina, mas sonhava em ser psiquiatra, assim como minha filha.

            Mesmo sendo mentira ainda guardei isso em minha mente, eu sabia que isso poderia me ajudar a encontrá-lo. Após o jantar eles foram caminhar pelas ruas do centro da cidade.

            _ Hoje o céu está tão estrelado. _ Disse ele tentando ser romântico.

            _ Faz muito tempo que eu não vejo tantas estrelas, ainda mais com um luar desse. _ Disse ela andando abraçada com ele.

            _ Se você gosta disso eu sei onde podemos ir, vai ser romântico. _ Disse ele a manipulando para levá-la onde ele queria.

            _ Onde fica esse lugar? _ Ela perguntou.

            _ É uma surpresa, mas prometo que se você for jamais irá esquecer. _ Disse ele sendo irônico de certa forma sem que ela percebesse.

            Eles entraram no carro e ele a levou para a saída da cidade, sem qualquer iluminação além da luz da Lua e das estrelas.

            _ Eu te disse que este lugar era lindo! _ Disse ele descendo do carro.

            _ Nossa!!! Eu nunca vi isso antes!! Eu sei que soa bem clichê, mas amei esta vista. _ Disse ela sem acreditar na beleza do céu naquela noite.

            _ Eu sei que as pessoas hoje em dia não ligam mais para o romance, por isso escolhi você. Quero que sua noite seja perfeita. _ Disse ele a beijando.

            Neste momento, ela estava completamente entregue nas mãos daquele monstro enquanto eu a ouvindo contar não parava de me perguntar por que alguém como ele faria algo tão terrível.

            O encontro começou a mudar quando ele pegou uma garrafa de vinho que estava no carro e começou a tomar com ela.

            _ Eu não posso beber. _ Disse ela rindo.

            _ Qual é o problema? _ Perguntou ele enchendo sua taça.

            _ Eu tenho só 16 anos, nunca tomei nada assim, muito menos vinho. _ Disse ela recusando a bebida.

            _ Este é um vinho francês, bem caro. _ Disse ele sorrindo e saboreando sua bebida.

            _ Você só comprou essa garrafa para me impressionar? _ Disse ela rindo da situação e o deixando sem graça.

            _ Digamos que sim, então eu gostaria muito que você provasse. _ Disse ele a convencendo de tomar um pouco.

            _ É bom, mas já tomei coisas melhores. _ Disse ela tomando um gole da bebida.

            _ Espera, faltou uma coisa, deixe-me colocar gelo na sua taça, talvez você goste mais assim. _ Disse ele abrindo uma caixa térmica que estava no porta-malas do carro.

            _ Você pensou em tudo mesmo. _ Disse ela sorrindo e abraçando-o.

            Ele colocou o gelo na bebida dela e eles continuaram conversando por mais alguns minutos.

            _ Meu gelo já está quase acabando, coloca mais, assim ficou muito bom. _ Disse ela enquanto enchia mais uma taça de vinho.

            _ Vai com calma mocinha, deixa um pouco para mim também. _ Disse ele pegando mais gelo para ela.

            Com o passar do tempo, ela começou a se sentir meio sonolenta, foi quando ele começou a seduzi-la para se deitar com ele no banco de trás do carro.

            _ Eu não quero, acho melhor deixarmos para outro dia. _ Disse ela se recusando explicitamente.

            _ Vamos, qual é o problema? Não está romântico o suficiente? O que mais eu preciso fazer para você aceitar. _ Disse ele agarrando-a pelos braços.

            _ Eu não estou pronta, nunca fiz isto antes, não quero que minha primeira vez seja com alguém me obrigando desse jeito. _ Ela ainda tentou argumentar antes que seu corpo começasse a perder a força e ela adormecesse.

            _ Você vai transar comigo querendo ou não, nem que para isso tenha que ser a força. _ Foi a última coisa que ela o ouviu dizer antes de perder a consciência.

            Quando ela acordou ele estava em cima de seu corpo completamente nu e abusando-a. Ela tentou gritar por ajuda, mas eles estavam a sós em meio a escuridão da noite, exatamente como ele queria.

            Minha filha me disse como o rosto dele estava transparecendo um enorme prazer em estuprá-la, mas a única coisa que ela pôde fazer foi aguentar a dor e o nojo enquanto ele violava seu corpo sem seu consentimento.

            Meu estômago revirou e quase vomitei ao ouvir essas palavras de minha filha, principalmente quando ela disse que parecia que suas lágrimas apenas aumentavam o prazer do estuprador.

            _ Ele vai pagar pelo que fez. Isto eu te prometo!!! _ Eu disse engolindo meu próprio vômito e deixando o ódio me consumir.

            Todavia, ainda existia uma pergunta sem resposta: como ele sabia onde morávamos? Ela me disse que não havia contado a ele, nem mesmo por mensagens e eu tive a certeza quando li todas, não tinha como ele saber.

            Havia tantas possibilidades de quem poderia ser, mas foi quando meu filho mais velho veio falar comigo que descobri quem deveria ter sido.

            _ Pai, você lembra-se do Paulo? _ Meu filho perguntou sem imaginar o que passava em minha mente.

            _ Lembro sim filho, seu amigo de infância, mas o que houve com ele? Nunca mais o vi por aqui. _ Eu perguntei encaixando as últimas peças do quebra-cabeça.

            _ Depois que entramos na faculdade, nós nunca mais nos falamos, mas esta semana eu o encontrei pelos corredores da faculdade e chamei-o para vir aqui em casa. _ Disse ele feliz por reencontrar seu velho amigo.

            _ Faz tantos anos que não o vejo que ele deve estar diferente. _ Eu disse fingindo estar contente.

            _ Ele mudou muito, acho que você e a Ana nem vão reconhecê-lo quando ele chegar. _ Disse ele sanando minha última dúvida.

            Agora eu tinha a certeza de que foi ele que estuprou Ana e vou o fazer pagar por desgraçar a vida dela que passou a fazer tratamento para se recuperar do trauma.

            Durante o jantar, meu plano que havia sido minuciosamente arquitetado já estava sendo executado. Minha esposa, meus filhos e Paulo se deliciaram com o suco de laranja que preparei para sua tão esperada visita.

            Quando Paulo recobrou a consciência estava amarrado na cadeira, ele sabia que eu havia descoberto seu crime, mas o que ele não esperava era que eu não ligaria para a polícia.

            _ Parabéns! Você é mais esperto do que eu esperava. _ Disse ele gargalhando.

            _ Você não faz ideia do que te aguarda. _ Eu disse indo em direção à garagem.

            _ Deixe-me adivinhar. Você vai ligar para a polícia e mandar me prender, na esperança que eu passe o resto da vida na prisão? _ Ele perguntou debochando antes que ele visse o que estava em minhas mãos.

            _ Há muitos anos os médicos usavam uma medida extrema para curar certos tipos de loucura, como a depressão severa, a esquizofrenia e também chegou a ser usada para tratar crianças mal comportadas como você. _ Eu disse mostrando calmamente o picador de gelo e o martelo.

            _ O que você vai fazer com isso? _ Ele perguntou assustado.

            _ Você é um estuprador, atualmente não existe um tratamento eficaz para doentes como você, então eu mesmo farei uma lobotomia em você. _ Eu respondi erguendo sua cabeça.

            _ Você é um psicopata, quando eu sair daqui eu vou te matar!!! SOCORRO! _ Ele dizia e gritava pensando que alguém poderia salvá-lo.

            _ Você não parou quando minha filha implorou. Eu também não vou parar! Seu sofrimento será o meu prazer. _ Eu respondi enquanto Paulo entrava em completo desespero.

            Enquanto ele se debatia e gritava, eu coloquei o picador de gelo em seu olho e comecei a martelar até que ele atingisse o seu cérebro. Neste momento era nitidamente visível o horror nos olhos de Paulo presenciando aquela cena.

            _ Quanto mais você gritar, mais fortes serão as marteladas, seu merda. _ Eu dizia entre minhas gargalhadas sentindo o doce prazer da vingança.

            Chegou um momento que Paulo simplesmente parou de gritar e se debater ele apenas salivava muito e possuía um olhar distante, como se não tivesse restado um pingo de consciência nele.

            _ Paulo? _ Eu perguntei imaginando que estava morto.

            Eu retirei o picador de gelo de dentro do seu olho e ele levantou a cabeça dizendo frases sem sentido. Então percebi o que eu tinha acabado de fazer.

            Paulo perdeu completamente sua sanidade, ficando com sequelas pelo resto da vida e eu, finalmente, me sentia vingado. Sei que minha família depois que acordar jamais irá me perdoar e a polícia logo irá chegar.

            Ainda não descobri como funciona a mente de um estuprador, mas hoje eu sei exatamente como funciona a de um psicopata. Jamais desperte a ira de um de nós, nunca se sabe até onde somos capazes de chegar por vingança.

Monday, June 25, 2018

Herói ou vilão?


    Meu sonho sempre foi me tornar um grande escritor, escrever uma incrível história de terror que todos adorassem, no entanto sabia que a melhor forma de fazer isto seria escrevendo sobre um terror real, algo que realmente causasse medo nas pessoas. 

    Foi quando descobri a história de Marcos, um serial killer que por muitos era considerado um justiceiro. 

    _ Como um serial killer pode ser considerado um justiceiro? _ Pensei enquanto tomava meu café em frente ao computador. 

    Pesquisando mais sobre ele descobri que atualmente ele está preso na penitenciária de uma cidade próxima a Goiânia, onde eu moro. 

    _ Essa é minha chance de escrever meu livro de terror, baseado na vida dele. _ Pensei enquanto terminava de tomar meu café e preparava minhas coisas para cair na estrada em busca de meu sonho. 

    Chegando a penitenciária fui em busca de Marcos, mas os guardas me alertaram sobre ele. 

    _ Eu estou aqui para falar com Marcos, quero escrever um livro sobre ele. _ Eu disse ao agente penitenciário. 

    _ Você não é o primeiro sabia? Muitos curiosos e até mesmo "fãs" vieram conhecer pessoalmente nosso "Dexter brasileiro". _ Disse ele. 

    _ Como assim Dexter brasileiro? _ Perguntei curioso pela fama de Marcos. 

    _ Você já assistiu a série Dexter? Então Marcos é como ele, por isso possui até fãs que queriam sua liberdade. _ Respondeu o policial sorrindo, mesmo com esta história absurda. 

    _ Como as pessoas podem defender um serial killer? _ Perguntei completamente confuso tentando entender. 

    _ Isto você terá que perguntar para ele. _ Disse o guarda me encaminhando para o encontro de Marcos. 

    _ Então você é o maior serial killer do Brasil? _ Perguntei a Marcos assim que o vi. 

    _ É o que dizem por ai. _ Respondeu ele. 

    _ Por que você mata outras pessoas? _ Perguntei. 

    _ Porquê sinto prazer! _ Respondeu ele agora com um sorriso. 

    _ Como você escolhe suas vítimas? _ Perguntei abrindo meu caderno para começar as anotações. 

    Ele se aproximou lentamente do meu rosto enquanto seu olhar frio penetrava minha alma e disse. 

    _ Eu mato apenas aqueles que merecem morrer. 

    _ Quantos você já matou? _ Perguntei tentando manter a calma enquanto ele mantinha aquela respiração pesada, como se estivesse furioso com minha presença. 

    _ Depois que fui preso? Uns 50. Mas todos mereciam morrer!!! _ Ele me disse com um sorriso sádico, como se estivesse lembrando de como suas vítimas imploravam pela vida antes de serem esfaqueadas. 

    _ Mas você já havia matado outras pessoas antes. Poderia me contar sobre seu primeiro assassinato? _ Perguntei antes que ele começasse a gargalhar. 

    _ Eu trabalhava com meu primo e nós tivemos uma discussão. Então eu matei. _ Disse ele como se não se importasse com aquela morte. 

    _ Como você o matou? _ Perguntei sem imaginar o quão cruel Marcos poderia ser. 

    Ele me explicou detalhadamente como espancou o primo que implorava para que parasse. Marcos arrastou o arrastou ainda consciente para perto do moedor de cana onde colocou sua cabeça, o sangue jorrava para todos os lados e o restante de seu corpo se debatia enquanto ia sendo moído aos poucos. 

    Enquanto Marcos contava sua história eu vomitei no canto da cela, aquilo me revirava o estômago, imagina a cena do assassinato. Depois de me recompor voltei às perguntas. 

    _ Creio que este foi seu pior assassinato. Ainda não entendo como alguém pode te considerar um justiceiro. Você é um monstro! _ Eu disse a ele revoltado com a fama de Marcos. 

    _ Eu não me considero um monstro, mas sim um herói daqueles que não tiveram justiça. _ Ele respondeu sarcasticamente. 

    _ Como? Eu não compreendo. _ Eu disse indignado com aquilo.  

    _ Sabe o estuprador que era o terror desta cidade? Aquele que matava as pobres meninas depois de estuprá-las. _ Ele perguntou. 

    _ Sei. _ Respondi imaginando ser a história de mais um de seus crimes. 

    _ Eu o matei! Ele arrancava os dedos de suas vítimas e eu arranquei todos os dele, um a um, com uma faca cega que eu mesmo consegui. _ Disse ele enquanto olhava para as próprias mãos sorrindo. 

    _ Você já matou alguma mulher ou criança? _ Perguntei temendo a resposta de alguém tão cruel. 

    _ Não!!! Jamais, mulheres e crianças são sagradas para mim. Mato apenas criminosos. _ Ele respondeu. 

    _ Então este é o motivo de sua fama. _ Eu disse começando a entender. 

    _ Eu não quero machucar pessoas inocentes, eu quero apenas fazer aquilo que a justiça não faz, que é por um fim na vida de tantos monstros. _ Ele disse tentando me convencer de que aquilo que ele fazia era a coisa certa a fazer. 

    _ Mas você também matou seu próprio pai. _ Eu disse. 

    _ Você sabe por que eu fiz isso? _ Ele me perguntou enquanto eu pude perceber uma lágrima escorrendo em seu rosto. 

    Marcos me contou que seu pai matou sua mãe enquanto ela dormia, pois suspeitava que a mesma estava o traindo. O pai de Marcos era tão cruel quanto o filho e matou a esposa com 21 facadas. 

    Depois de saber que seu pai havia sido preso na mesma penitenciária que ele Marcos decidiu se vingar de forma ainda mais cruel, ele rendeu um agente penitenciário que o levou até a cela de seu pai. 

    Chegando a cela Marcos começou a esfaquear seu pai, depois da vigésima segunda facada Marcos abre o peito de seu pai e arranca seu coração, morde um pedaço e cospe em cima do corpo. 

    Voltei a vomitar, não estava mais aguentando ouvir as histórias de Marcos, me levantei e quando fui sair da cela ele me disse algo que mudou tudo o que eu pensava sobre ele. 

    _ Eu já fui casado, minha esposa estava grávida quando bandidos entraram em nossa casa e a mataram, desde então jurei vingança a todos aqueles que não tiveram justiça assim como eu. Fui preso após matar eles com minhas próprias mãos. _ Disse ele me mostrando a única lembrança que ele tinha da esposa. 

    Era a foto dela segurando a barriga ao lado de Marcos, foi então que percebi como Marcos era feliz e tudo aquilo havia sido arrancado dele. Marcos apenas quer fazer com que os criminosos paguem pelo que fizeram. 

    Então eu termino esta história com o questionamento: Marcos é um Herói ou Vilão? Ele diz que não matará mais assim que for libertado, que deve ocorrer até 2019 depois de passar 40 anos na prisão. 

    Você se sentirá seguro daqui em diante sabendo que o maior serial killer do Brasil logo vai estar em liberdade?  
     


Mente de um estuprador

            Alguém já parou para pensar o que se passa na mente de um estuprador? O que o motiva a cometer esses crimes horríveis? Infeliz...